sábado, 9 de janeiro de 2016

Incêndios preocupam empresários brasileiros




Seguradora lista pontos de atenção que podem minimizar causas

Do total de três mil pequenas e médias empresas entrevistadas na Pesquisa Global Zurich PMEs, em 15 países, 8,5% se preocupam com incêndio. O índice entre as brasileiras (200 entrevistadas) alcança 23%, ou seja, três vezes mais. Também é o dobro do registrado no segundo da lista, Espanha, com 11% de registro.

Além disto, a Pesquisa Global Zurich PMEs identifica que o incêndio é o tipo de sinistro mais temido pelas pequenas e médias empresas brasileiras. A Zurich, seguradora que atua em mais de 170 países e é referência global em engenharia de riscos (risk engineering), lista pontos de atenção que podem minimizar as causas. Carlos Cortés, especialista da Zurich em Gerenciamento de Riscos, exemplifica que não basta atender os requerimentos mínimos de proteção contra incêndio, pois eles visam unicamente a proteção da integridade física das pessoas, mas não tanto do patrimônio. Por outro lado, é relevante que as empresas recebam consultoria referente a como reforçar a cultura de prevenção de riscos de incêndio e façam esforços para implementar ações de melhoria. Enfim, não há melhor resposta a um incêndio que aquele que não acontece.

“Para empresas, um incêndio tem outro agravante. É importante lembrar que um seguro pode oferecer cobertura para cobrir perdas em Patrimônio e o que o empresário deixou de ganhar no período de interrupção (cobertura para Lucros Cessantes). Mas nenhum seguro indeniza o dano à imagem da empresa e o mercado que se tenha perdido”, destaca Carlos Cortés, head of risk engineering da Zurich Brasil.

A Zurich Brasil dá algumas dicas para prevenção de incêndios nas empresas:
Reforçar as políticas de controle de fumo.
Reforçar as permissões de trabalhos de corte e solda, além da análise preliminar de riscos.
Incluir nos programas de manutenção elétrica a análise de gases dissolvidos para transformadores a óleo e rotinas de termografia infravermelha.
Implementar programa para a melhoria do housekeeping.
Reforçar os programas de treinamento em segurança e prevenção de incêndios ao pessoal.
Atualizar as avaliações dos riscos inerentes às operações.

Outras dicas para controle também foram fornecidas pela seguradora:
Fornecer sistemas automáticos de detecção de incêndio, além das botoeiras manuais.
Revisar que as reservas técnicas de incêndio sejam adequadas para o tipo de risco considerando a proteção do patrimônio.
Fortalecer os planos de resposta a emergência.
Avaliar a viabilidade de instalar sistemas automáticos de proteção contra incêndio.
As empresas devem aproveitar as oportunidades de projetos de expansão e de melhoria dos locais para reforçar os sistemas protecionais.

Em tempo: Entre os 15 países pesquisados, a Espanha ocupa o segundo lugar, com a metade da preocupação do Brasil: 11%. Em terceiro lugar vem o México, com 10%. O país menos receoso é a Irlanda, com 3% de apontamentos.
fonte jrs nna web

Nenhum comentário:

Postar um comentário